Domingo, 2 de Março de 2008

Cultura - exemplos a seguir

A cultura, na sua vertente material, ou seja, no que respeita à expressão artística, é um grande motor de desenvolvimento social pois, para além de ser um escape social muito importante e de deter um importante valor estético capaz de interferir com o sujeito, é cada vez mais um fenómeno capaz de gerar riqueza e de impulsionar o dinamismo social.

Mas para que isto seja totalmente verdade, devemos ter em conta que a cultura necessita de apoio, de bases, de motivações; e as cidades são as principais responsáveis por prestar esse apoio. O desenvolvimento cultural nasce da actividade de uma área cultural devidamente equipada para servir as necessidades dos artistas e do próprio público que a procura.

O grupo tem realizado uma pesquisa, procurando aspectos fundamentais para a idealização de uma área cultural forte e eficiente em diversos exemplos mundiais.

 

Surgem então novos desafios, novos projecto, novas ideias;

 

As áreas culturais devem ser o centro de uma cidade, o centro de um distrito, capaz de aglomerar população e movimentar a sociedade;

 

Combinação única de infra-estruturas materiais e sociais capaz de apresentar toda a arte em diferentes épocas e estilos, alargando o público-alvo;

 

Ponto de formação, catedral da descoberta de novos rumos para a inspiração, que motive o que aprecia a arte e que inspire o criador.

 

Fábrica de iniciativas criativas e inovadoras, de formatos novos;

 

 

A um nível material, são interessantes as infra-estruturas e indústrias de apoio ao artista:

 

Indústrias altamente equipadas com meios capazes de servir as produções cinematográficas independentes, ou seja, capazes de estabelecer negócios de aluguer de equipamento de topo para a produção de cinema independente, sendo assim possível a criação rentável e aberta deste tipo de arte;

 

Salas de ensaio para pequenas e grandes constituições de músicos, devidamente equipadas e passíveis de serem partilhadas;

 

Estúdios comunitários para artistas plásticos;

 

Cafés, lugares de convívio que servem de forma relaxada a cultura;

 

Novas ideologias, novos formatos:

 

Cultura de rua: movimentar o cidadão e embelezar a cidade;

 

Campanhas fortes de promoção da cultura a nível não só local como nacional;

 

Formações sobre as diferentes áreas;

 

A cultura como movimento capaz de quebrar fronteiras: promover o intercâmbio cultural numa filosofia de inter-culturalismo, abrindo as portas a uma arte mais global;

 

 

 

São alguns ideais possíveis, algumas ideias criativas capazes de rentabilizar a cultura.

E nós, cidadãos, devemos ser os primeiros a começar a aplicá-los, abrindo desde já as portas a novas experiências e novas infra-estruturas, reclamando o direito à cultura e à informação. Que ninguém se esqueça que pela arte o Homem se liberta, tanto no papel de criador como de espectador.

 

publicado por 002ordemparacriar às 23:07
link do post | comentar | favorito
|

.002 ordem para criar (Trofa), de João Maia, José Rui e Nuno Azevedo. Núcleo de discussão do Projecto Cidades criativas.

.pesquisar

 

.Nº de Visitas

contactoscoches y motoshosting gratuitoestadisticasclasificados

.Musica na trofa


.posts

. O desinteresse dos jovens...

. Uma iniciativa para a cul...

. O novo post

. Biblioteca, biblioteca

. Desplaneamento urbano

. Relatório do processo, se...

. O regresso, a terceira fa...

. Um Parque da cidade

. Cultura - exemplos a segu...

. Planeamento Urbano (parte...

.Maio 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


.arquivos

.links

Trofa